Este site é pessoal e tem o foco principal, nas notícias e fatos de interesse de nosso povo e das nossas coisas. Então, significa que não temos equipe e nem tempo para informar tudo o que acontece em Baião e região, ficando ao nosso critério divulgar as informações mais relevantes.
"Vote na enquete, assista os vídeos, deixe seu comentário e divirta-se."
Loading...

domingo, 31 de julho de 2011

BAIÃO REVELA NOVOS TALENTOS

                       
                            Contadores aluados e sua carroça de estrelas  
                        TEATRO MAMBEMBE PELAS RUAS DE BAIÃO
  Nos dias 21,22 e 23 de julho, Baião foi tomada por atores “ aluados” pelas ruas da cidade. O espetáculo “ Contadores Aluados e sua Carroça de Estrelas”, foi encenado na praça, em frente a igreja católica matriz. O projeto surgiu de um sonho de criança de seu criador Stéfano Paixão e também da necessidade de que os jovens experimentassem uma outra forma de fazer teatro com propósito, orientações, com formato novo e novos atores da cidade. O espetáculo faz uma homenagem a cinco biografias de pessoas  do município, pelas suas histórias de vida: Lucimar Lemos, Maria José medeiros, Zumira Barroso, Mestre Mico e Pedro Lemos. No segundo dia da apresentação, aconteceu uma homenagem ao padeiro conhecido como “Puruca” o pioneiro na panificação de pão e ao “Severino”, que durante muitos anos mantinha uma banca de venda cafezinho e onde se tinha conhecimento das notícias mais recentes da cidade.
A peça teatral foi financiada pela Funarte-Minc através do edital de micro projeto da amazônia legal do programa Mais Cultura e teve na sua elaboração 1 ano de pesquisa. Segundo seu criador, é uma declaração de amor,  um presente a cidade e uma celebração a memória popular prestando serviço e homenageando figuras da sociedade baioara, e dando um puxão de orelha nas autoridades que investem pouco em cultura.
         O espetáculo acontece com um "duelo" amigo entre o cordão de Pássaro e o cordão de Boi. Tem como personagens: O Domador que abre a encenação e é um personagem de transição, depois segue-sem a cigana, a moça, o mascate, o imigrante, que foram encontrados as margens da estrada e se juntaram a trupe e ajudam a costuram e conduzem o espetáculo. No cortejo pelas ruas da cidade alguns personagens portavam tochas de fogo que simboliza a chama da esperança, para tocar as  mentes, tudo num simbolismo teatral.
Nos próximos meses Stéfano Paixão entrará em cena com o monólogo “Batista”,, que conta a biografia do mentor intelectual da Cabanagem o cônego Batista Campos. Stéfano Paixão é formado em Assistência Social e faz teatro há 12 anos.
* Noticiamos com muita tristeza o falecimento de um dos homenageados durante a encenação da peça, Pedro Lemos faleceu na noite do dia 01/08. Durante a apresentação da peça teatral registramos a fotos dos homenageados e  ele não aparece nela, pois estava doente e internado no hospital.

                                                     OS HOMENAGEADOS


                                                      OS NOVOS ATORES