Este site é pessoal e tem o foco principal, nas notícias e fatos de interesse de nosso povo e das nossas coisas. Então, significa que não temos equipe e nem tempo para informar tudo o que acontece em Baião e região, ficando ao nosso critério divulgar as informações mais relevantes.
"Vote na enquete, assista os vídeos, deixe seu comentário e divirta-se."
Loading...

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

DEP. EDUARDO CUNHA ABRE O VERBO PELO FIM DA OAB .Espaço Aberto: "Para mim, a OAB é um cartel"

DEP. EDUARDO CUNHA SOLTA O VERBO CONTRA A AOB.

personagem é o terceiro na linha sucessória...

Espaço Aberto: "Para mim, a OAB é um cartel": Olhem só. Reparem a quantas anda, como diríamos, a moderação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Sua Excelência o presidente da augusta Câmara dos ...
FONTE: http://blogdoespacoaberto.blogspot.com.br/2015/08/para-mim-oab-e-um-cartel.html?spref=bl

PRESIDENTE DA COLÔNIA DE BAIÃO REÚNE COM HELDER BARBALHO

PRESIDENTE DA COLÔNIA REÚNE COM HELDER BARBALHO
Presidente da Colônia Z-34 Júlia Rodrigues

A presidente da Colônia dos Pescadores de Baião, Julia Rodrigues, e o vice Júlio Macieira, estiveram em reunião com o Ministro da Pesca, Helder Barbalho dia 10/08, com objetivo de destravar a pauta de reivindicações da Colônia Z-34.
A esquerda o vice Júlio Macieira

Dentre os assuntos tratados estavam o caso dos diversos pescadores baionenses que tiveram seus registros cancelados ou suspensos pela Portaria nº 39, que suspendeu 9.761 registros retroativos no estado do Pará. Outro assunto da reunião foi o caso dos 42 associados que no dia 04 deste mês estiveram na superintendência para fazer a manutenção de suas licenças, pois tinha esgotado o prazo de 60 dias e não havia ficha para atendê-los, Segundo Julia Rodrigues, o ministro disse que resolveria esses casos pendentes.

No dia 11, a presidente se reuniu com a superintendente Dr.ª Soane Castro, onde os problemas relativos a colônia de Baião foram apresentados, e que se encontraria uma solução para os casos pendente e que os 42 associados que não foram atendidos, teriam atendidos seus pleitos em data a ser marcada previamente.

UM ANO SEM EDUARDO CAMPOS- VEJA IMAGENS INÉDITAS DO ACIDENTE

UM ANO SEM EDUARDO CAMPOS

Não são só as famílias do presidenciável Eduardo Campos e das outras seis pessoas que morreram no dia 13 de agosto de 2014 que buscam respostas sobre o acidente. Depois da queda do jato particular que levava Campos e sua equipe para uma agenda de campanha no Guarujá, litoral

de São Paulo, os moradores do Boqueirão, em Santos, que tiveram suas casas atingidas pela aeronave, convivem com a angústia, os medos e as dificuldades para reconstruir os imóveis e até mesmo suas próprias vidas.
A reportagem do R7 esteve, na última semana, no local do acidente, que completa um ano nesta quinta-feira (13). O clima pacato da rua Hahia de Abreu e suas imediações ganha novas nuances quando comparado às imagens de destruição amplamente divulgadas, nas quais peças de avião e corpos se misturavam. Existe um fardo naqueles terrenos, que não deixará de existir tão cedo. Entre as pessoas que convivem com esse peso, há aquelas que tomam remédios para dormir e aquelas que tentam demonstrar normalidade, mesmo que seus depoimentos as contradigam.


Tudo ainda é novo. As estruturas das casas começaram a ficar prontas há pouco tempo e ainda dividem espaço com muros quebrados e reformas inacabadas. A academia afetada pela queda reabriu as portas há um mês, mas uma das piscinas ainda está sem acabamento e o dono luta para trazer seus quase 800 alunos de volta. Quem olha o estabelecimento custa a acreditar que há um ano o local estava repleto de fragmentos. Saber desse fato faz com que quem esteja ali reconstrua na imaginação aqueles momentos de terror. É inevitável.
Pensar que ninguém em terra se feriu vira um desafio lógico. Tantos prédios, casas e pessoas e o avião caiu justamente em um espaço aberto e não se chocou com nenhum edifício. Para os religiosos, um milagre. Para os céticos, pura sorte.

Foto: Globo.com
A busca implacável por respostas faz com que alguns moradores apelem para versões conspiratórias sobre o acidente. Por que o avião não explodiu? Por que nenhum corpo estava inteiro? Será que a aeronave foi derrubada? Vale tudo para encontrar algo que tire a angústia e traga explicações sobre aquele fatídico dia. É como se esses esclarecimentos tivessem o poder de afastar o medo que ficou, em maior ou menor grau. Talvez haja a esperança de que essas respostas atenuem os traumas e façam até mesmo o médico suspender a medicação para dormir.
Apesar de a reconstrução pessoal ser dolorosa, reconstruir os lares e a academia destruída também deu e — continua dando — trabalho para alguns dos envolvidos. O imbróglio sobre quem poderia se responsabilizar pela aeronave fez com que apenas dois moradores aceitassem acordos sigilosos. A dona de uma das casas recebeu uma quantia do seguro, porém gastou mais que o dobro na reforma do imóvel. E o dono da academia segue tentando na Justiça o direito de receber uma indenização, inclusive pelo tempo que passou de portas fechadas. As batalhas judiciais ganham novos contornos todos os dias. O que permanece intacto é o sentimento de abandono, seja ele financeiro ou emocional. Os moradores acreditam que mereciam mais.
Mais fotos e a reportagem completa, acesse:
http://r7.com/XZto

terça-feira, 11 de agosto de 2015

BAIÃO: QUASE UM ANO SEM BANCO DO BRASIL

BB DE BAIÃO, UM ANO DE ESPERA
Foto feita hoje 11/08.

No próximo dia 11/09, a agência do Banco do Brasil de Baião completará um ano fechada.
 Registramos a chegada do cofre novo e a retirada do velho

A primeira desculpa foi devido ao assalto que agência sofreu
em Setembro de 2014,
Porta do Cofre que foi explodida no último assalto

porém meses depois o banco sofreu novo assalto, que desta vez foi a explosão do cofre.
Hoje 11/08, completam 11 meses que a referida agência só funciona com serviços eletrônicos, com este tipo de atendimento quem sofre é o povo que para receber seu rico dinheirinho, faz uma verdadeira romaria, pegando em pouco na loja aqui e ali. 
Foto feita hoje 11/08.

O resultado é que mais de 100 ações na justiça local já foram impetradas pelos advogados da cidade, exigindo a reabertura da agência e cobrando  indenização para cada proponente. Antes da explosão do cofre, a informação da gerência era que não poderia funcionar sem um novo cofre, porém, o cofre novo já chegou faz muito tempo e nada.
Por causa dos problemas do banco, milhares de clientes recorrem a única agência dos Correios na cidade, porém como podemos ver na foto abaixo, os Correios, amanheceu fechado hoje (11/08) com uma placa avisando que não está funcionando, devido problemas nos computadores.

Como vemos o Banco do Brasil em Baião, bem como Mocajuba, estão devendo e muito pra nós.
Fotos de Correio Baionense.






VEJA O QUE ACONTECE NO BB EM MOCAJUBA

Foto: Vinicius leal. Ag. de Mocajuba


Hoje o blog recebeu uma denúncia de uma moradora mocajubense que prefere não se identificar, reclamando da falta de dinheiro, e do péssimo atendimento prestado dentro da Agência do Banco do Brasil de Mocajuba, que sem dúvidas já está bastante defasada e com a sua estrutura física antiga e ineficaz para o tamanho do município, que além de atender a população de Mocajuba, está também atendendo clientes do município vizinho (Baião), que desde o assalto que aconteceu na Agência da cidade vizinha, ainda não voltou ao funcionamento em sua totalidade.

Sem dúvidas já passou da hora do Banco do Brasil de construir uma nova  agência em Mocajuba, pois além de ser a principal agência bancária do município, possui um número expressivo de clientes que utilizam os serviços da mesma, que ao invés de oferecer uma boa estrutura de atendimento de maneira geral, tenta enfiar goela abaixo da população a situação que tá, se limitando apenas em fazer pequenos reparos no prédio onde a agência se encontra que por sinal já é muito antigo para abrigar uma instituição bancária de tal porte.

Se eu não estou enganado, alguns anos atrás, ouve um boato, (isso quando eu morava ainda em Mocajuba), de que o município iria ganhar uma nova agência do Banco do Brasil, que iria ser construída no terreno que era antigamente a casa da mãe do ex-prefeito de Mocajuba "Wilde Leitte Colares", localizada na mesma rua da atual agência só que com um terreno em proporções bem maiores com certeza. Eu não sei o que se deu sobre o assunto, se foi engavetado o projeto, se não houve "verba", ou a tradicional falta de interesse, já que não podemos esquecer que o Banco do Brasil também é uma instituição governamental, o que se pode deduzir várias coisas à respeito.

Bom, pulando a parte da estrutura física da agência, um assunto que tira a paciência dos clientes em Mocajuba é sobre a falta de dinheiro nos caixas eletrônicos, e quando tem dinheiro é muito rapidamente que o mesmo acaba, principalmente agora no final/início de mês onde os servidores, aposentados e entre outros necessitam sacar seus salários para assim realizar o pagamento de suas contas, e entre outros serviços mas quando chegam à agência encontram filas enormes, e caixas sem dinheiro, o que com certeza indigna a população.

O blog faz um apelo ao Banco Brasil, principalmente o de Mocajuba para que pelo menos possam sanar o problema de falta de dinheiro nos caixas eletrônicos, e o melhoramento no atendimento ao idosos que têm enfrentado filas enormes e tendo esperar horas e horas para serem enfim atendidos pelos funcionários da agência. E sobre a questão da estrutura física da agência, também pedimos para o Banco do Brasil olhe com bons olhos para o nosso município, e comtemple-o com uma nova agência com toda a tecnologia na área bancária possível, afim de reverter a situação que a agência atual se encontra. Não estamos aqui para criticar, e sim para apresentar os fatos e queixas por parte da população, e esperamos que o poder público ou privado busquem soluções para os problemas apresentados, essa é a nossa missão!

"Mocajuba e a Região do Baixo Tocantins merecem sempre o melhor!".

Com informações: População Mocajubense.

Foto e Texto: Vinícius Leal - "Blog do Vinícius Leal".

VICIADO EM COCA COLA

“Coca-Cola está dominando minha vida”, declara britânico que consome 42 litros por semana.

O britânico Darren Jones, 38 anos, declara que não consegue ficar um dia sem consumir Coca-Cola Diet.
O vício de Jones é tão grande que seu hábito de tomar refrigerante chegou ao impensável número de 42 litros por semana, o que equivale aproximadamente 18 latinhas por dia. Ele gasta cerca de R$ 8.400,00 por ano para manter o hábito.
Apesar do espanto das pessoas ao ficarem sabendo de sua condição, Jones relata que não sofreu nenhum problema médico nos últimos 10 anos e seus dentes não foram afetados. Mesmo dando o péssimo exemplo dentro de casa, ele afirma que não permite que seus filhos tomem a versão diet da Coca-Cola.
Jones afirmou em um portal de notícias do Reino Unido que apesar de sentir que não teve sua saúde afetada pelo vício, precisa tomar sua dose diária de refrigerante ou entra em estado de alta irritabilidade, tornando-se extremamente mal humorado.
Pesquisadores especialistas em alimentos alertam que Jones está errado ao afirmar que não sofreu nenhum dano à saúde. Apenas pelo fato de necessitar desesperadamente de Coca-Cola Diet já caracteriza uma doença. Os médicos alertam que os refrigerantes de cola, mesmo na versão diet, possuem grande quantidade de cafeína e adoçantes artificiais que provocam problemas no organismo quando consumidos em excesso.
Uma pesquisa realizada em 2011 mostrou que adoçantes artificiais adicionados em alimentos dietéticos podem provocar aumento de peso indiretamente, ocasionando vontade de consumir alimentos com açúcar.
A Coca-Cola Diet usa em sua fórmula o aspartame, um edulcorante sintético com inúmeros artigos colocando em cheque sua segurança e alertando para os possíveis perigos ainda não confirmados. Embora órgãos oficiais de várias partes do mundo, entre eles o americano FDA, afirmar em estudos que o aspartame é absolutamente seguro, outros cientistas veem a substância com cautela. É bastante usado na indústria de alimentos pelo baixo preço em comparação aos edulcorantes mais seguros.
Uma pesquisa recente da Universidade de Yale, coordenada pelo professor Yang Qing, mostrou experimentalmente que o consumo de bebidas adoçadas artificialmente com aspartame e/ou sacarina fazem você ter desejo de comer mais.
Aparentemente, adoçantes conseguem ativar algumas partes do cérebro responsáveis pela recompensa alimentar, ou seja, você consome uma bebida diet, mas seu cérebro não se satisfez completamente, pois percebe que naquele alimento não existe açúcar ou existe em quantidades muito baixas, fazendo você desejar comer mais para satisfazer o desejo de açúcar.
Desse modo, bebidas que não possuem calorias, aparentemente, estimulam você a procurar alimentos doces para compensar a falta de açúcar naquele alimento que você acabou de consumir.
Fonte: Jornal Ciência

BOMBA; O NIMESULIDA PODE SER ALTAMENTE TÓXICO

O medicamento nimesulida pode ser altamente tóxico para fígado e é proibido em vários países?


A nimesulida é um medicamento anti-inflamatório não-esteroide (NSAID), autorizado em muitos países para o tratamento de dores agudas, tratamento sintomático de osteoartrite dolorosa e para a dismenorreia primária.
Porém, o uso da nimesulida pode representar riscos tóxicos à saúde, uma preocupação constante para os órgãos mundiais de saúde.
Não à toa, o medicamento é proibido desde sempre no Reino Unido e na Alemanha, e já foi retirado de circulação do Canadá, Estados Unidos, Japão, Espanha, Finlândia, Irlanda, Bélgica, Dinamarca, Holanda e Suécia. A Comissão Europeia se preocupa muito com o efeito devastador do medicamento, pedindo que as pessoas evitem qualquer possibilidade de utilização crônica e frequente da nimesulida.
O grande alvo do fármaco, é o fígado dos pacientes. Em maio de 2007, o Irish Medicines Boards (IMB), regulador irlandês, recebeu novas informações da Unidade Nacional de Transplante de Fígado (NLTU), sobre seis casos de insuficiência hepática que necessitaram de transplante após o tratamento oral com nimesulida, duas das quais resultaram em morte.
O que pode ocorrer com o paciente, é insuficiência hepática fulminante (FHF) de origem desconhecida. Como o risco de hepatotoxicidade grave pode acontecer a qualquer momento, a qualquer paciente, muitos países resolveram proibir de vez o medicamento.
O IMB, por exemplo, suspendeu a comercialização e venda da nimesulida para uso oral na Irlanda. Os profissionais de saúde e os pacientes foram informados desta ação regulamentar urgente, além de um comunicado de imprensa com documentos comprovados, bem como contato direto com uma gama de organizações profissionais.
Em conformidade com as suas obrigações decorrentes da presente ação regulamentar urgente, o IMB informou as partes interessadas a nível nacional e internacional e deu início a uma nova revisão da União Europeia sobre a segurança dos produtos contendo nimesulida. O resultado desta avaliação será comunicado aos profissionais de saúde, quando disponíveis.
O dano hepático é um raro, porém grave, efeito secundário da nimesulida. Temos dados da Unidade Nacional de Transplantes de fígado do St. Vincent Univerity Hospital, que falam de seis pacientes que precisaram de transplante após um tratamento com a nimesulida. Desde que o produto deu entrada na Irlanda, em 1995, tivemos um total de 53 casos e três casos mortais de insuficiência hepática. Além disso, a Nimesulida apresenta toxicidade renal”,relatou o IMB.
No Brasil, diversos laboratórios produzem o medicamento, sem nenhum tipo de restrição. “Têm sido relatados, em vários países, casos clínicos em que a hepatotoxicidade associada ao uso de nimesulida ocorreu de forma severa e até fatal, o que fez com que fosse retirada do mercado em alguns países europeus. Os mecanismos envolvidos nessas reações relacionam alterações nos padrões funcionais das mitocôndrias, levando à morte celular hepática. Também foram estabelecidos cofatores tais como pré-disposição genética, doença hepática pré-existente e associação com outros fármacos hepatotóxicos. Embora amplamente comercializada, não foram encontrados relatos de casos documentados no Brasil”, relatou Márcio Antônio Rodrigues Araújo, em um estudo denominado “Hepatotoxicidade associada à nimesulida: uma revisão da literatura” para a Revista Brasileira de Farmácia (RBF).
Ainda de acordo com os dados da pesquisa de Márcio Antônio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já registrou cerca de 320 casos de desordens hepato-biliares por conta da nimesulida e principal fator de risco para a hepatotoxicidade é a idade do paciente.
O aumento da proporção de pessoas em idade avançada que representam um grupo de risco elevado para lesões no fígado está relacionada ao uso frequente de AINES (anti-inflamatórios não-esteroides), utilizados principalmente para doenças musculoesqueléticas da velhice. Além disso, tem sido referenciado como maior prevalência em mulheres, além de doença hepática grave pré-existente e interações medicamentosas com outros fármacos de uso frequente. Falhas em transplantes de fígado também têm sido relatadas e associadas à administração prévia de AINES, destacando-se entre eles a nimesulida”, complementa o estudo.
A conclusão do estudo da RBF, é que todo e qualquer caso de toxicidade hepática associada ao uso de nimesulida (ou a qualquer outro medicamento) precisa ser documentada, divulgada e comunicado ao órgão competente, no caso, a Vigilância Sanitária, para que possam estudar mais a fundo os riscos do medicamento no Brasil.
Nesse sentido, não foram encontrados relatos de casos documentados no Brasil durante a realização do estudo, o que não significa que eles não tenham ocorrido. Da mesma forma que, devido ao amplo uso da nimesulida também em outros países e do fato do diagnóstico da toxicidade hepática ser de difícil estabelecimento, os números associados ao risco e segurança podem ser maiores do que os já notificados. Assim, os profissionais da saúde devem estar alertas sobre a observação dos possíveis danos hepáticos associados ao uso dos AINES, em especial à nimesulida, uma vez que esse fármaco apresenta grande comercialização no país e, de forma preocupante, sem a exigência de receita para sua aquisição e consumo, com consequente falta de acompanhamento médico”, finalizou.
Fonte: http://www.jornalciencia.com/saude/mente/5063-

domingo, 9 de agosto de 2015

RABETAS OU RABUDAS ABOLIRAM OS REMOS DAS ÁGUAS TOCANTINAS (Por Salomão Laredo)

RABETAS OU RABUDAS ABOLIRAM OS REMOS DAS ÁGUAS TOCANTINAS 
por: Salomão Laredo.
Nossas homenagem aos Pais em seu dia maior.
Salomão Laredo

Nosso poeta maior, sempre traz lindos textos  sobre nossa região. Estamos compartilhando este último.

e o que se vê é uma profusão de embarcações super coloridas batizadas com nomes conectados ao novo, contemporâneo e tradicional( "Um dia eu te pego" , Caridade", Viva Jesus" e tantos outros) dignos de pesquisa e letras embandeiradas abertas em estilos que merecem além do olhar estético à

 análise dessa arte popular aquaviária que circula pelo rio Tocantins, o mais bonito do mundo e encosta nos trapiches, pontas repontas, ilhas, furos, igarapés, portos e cheias de vida, as rabetas ou rabudas multicores fazem brilhar ainda mais a alegria da vida pulsante em nosso Baixo Tocantins, nas ilhas, vilas, povoados vários, casarios, areais e milhares de portos onde chegam às dezenas, 

centenas, transportando, ligeiras e velozes como os dias e a vida moderna, nossa gente, as mercadorias, carros, motos, combustível, comida, frutaria: açaí, pupunha, mapará de Tucuruí, jatuarana dos Furtados, branquinha, camarão, tucunaré do Maxi, filhote do Araquembaua, farinha, 

madeira, óleos, sementes, ingás, pão, vestuário à atividade cotidiana comercial ribeirinha, social de festas de santos e aparelhagens e motivos vários numa navegação útil e utilitária necessária pelas nossas lindas estradas líquidas repletas de aningais e aturiás e também de farta poluição aquosa nas


 manhãs, tardes, noites e madrugadas em que remos de faia, jacumãs tapuios, lisos ou pintados não fazem mais os tratos com os remeiros profissionais que junto com a força física na propulsão lenta das águas, saíram de circulação e isso merece uma boa meditação, bom estudo, análise, reflexão e pode dar surpreendentes trabalhos acadêmicos. ( texto e fotos: Salomão Larêdo)