Este site é pessoal e tem o foco principal, nas notícias e fatos de interesse de nosso povo e das nossas coisas. Então, significa que não temos equipe e nem tempo para informar tudo o que acontece em Baião e região, ficando ao nosso critério divulgar as informações mais relevantes.
"Vote na enquete, assista os vídeos, deixe seu comentário e divirta-se."
Loading...

terça-feira, 31 de março de 2015

MOCAJUBA: Prisões e Apreensões em Mocajuba: Polícia Civil investiga homicídios e prente suposto grupo de extermínio

Presos sob acusação de suposta participação em grupo de extermínio atuante em Mocajuba
créditos de imagem: Polícia Civil
"Marquinho", "Thiaguinho", "Filho" e "Bena".
O dia 26\03\2015 para Mocajuba, será definitivamente um dia histórico. A cidade acordou sob o espanto da prisão de várias pessoas, homens, maiores de idade, alguns hoje, membros da guarda-municipal mocajubense, sendo acusados e/ou representados pela polícia local de vários crimes.
Depois de passar por um grave processo de crescimento da pobreza e da violência e se vê diante da banalização da vida e da violência, a cidade entra em estado de susto, de alívio, incredulidade...
Logo, nesta era da informação e das redes sociais com púlpito de todas as discussões e debates, um forte embate se forma em alguns perfis públicos. Muitos ainda esperam esclarecimentos e informações sobre o caso, ou sobre os casos. Neste sentido, o blog tenta sanar, em parte, essa sede.
Vamos aos fatos:
Dentre o conjunto de ações realizadas no dia 26\03\2015, a polícia civil de Mocajuba (PA) cumpriu quatro mandados de prisão, dentre os quais, dois contra guardas municipais. A operação foi realizada por policiais civis da Delegacia de Mocajuba, com apoio da Superintendência da Região Integrada de Segurança Pública do Baixo-Tocantins, do Grupo de Pronto Emprego e da Divisão de Homicídios. Segundo a polícia civil, as investigações se deram por quatro meses, resultando nos quatro mandados de prisão e cinco ordens de busca e apreensão.
Os presos são:
1. Marcos Franco Soares (Marquinho)
2. Gilmar Gonzaga Cardoso (Filho);
3.Thiago Pantoja de Carvalho;
4. Benedito Nei Ferreira Queiroz;
Tais resultados, baseiam-se em elementos apresentados nos diversos inquéritos que levou o juiz da comarca de Mocajuba (PA) Daniel Bezerra Girão a decretar as prisões preventivas com busca e apreensão nas residências dos acusados. Com "Bena", foi encontrado um revólver calibre 38, o queê levou a sua prisão em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e gera outro processo passível de pena com detenção, complicando sua situação legal. Benedito Nei Ferreira Queiroz é até o momento o único já indiciado por homicídio duplamente qualificado.
Gilmar Gonzaga Cardoso (Filho) já respondeu a processo por porte ilegal de arma, o que também pesa contra ele, dizem os consultores jurídicos do blog.
Por questão de segurança, o caso foi apresentado na Delegacia de Abaetetuba (PA) e os presos mantidos na cidade a disposição da justiça. Por isso, depois da ação da polícia, a cidade entrou em um altíssimo "quiririm" (silêncio).
Detalhes
Tais ações que resultam de ampla investigação iniciada pelo delegado da polícia civil de Mocajuba, que abriu o inquérito n° 126/2015000043-5, e no decorrer das investigações, abriu mais dois de Nºs 126/2015000072-7 e 126/2014.0000238-2, para tentar elucidar inúmeros homicídios ocorridos no município. [...] "quase todos realizados com o mesmo modus operandi, dando sinal de execuções. Esses homicídios deixam toda a população indignada, temerosa e cobrando resposta das autoridades públicas", atesta o texto do processo nº. 0000801-20.2015.8.14.0067.
Caso Bar do Dudu
Thiago Pantoja de Carvalho, Benedito Nei Ferreira Queiroz, Marcos Franco Soares e Gilmar Gonzaga Cardoso tiveram a prisão preventiva decretada como desdobramentos do inquérito 126/2014000043-5, assim como foram a busca e apreensão realizada em seus endereços também derivam dai.
"O homicídio investigado [...] é o caso ocorrido no dia 11/02/2015 em que foram vítimas Leandro dos Prazeres Lemos e José Pontes de Lemos (pai e filho) no Bar do DUDU, ás proximidades do Estádio Municipal", no Bairro da Fazenda. Um caso que teve bastante repercussão na cidade e, como já é de praxe, nas redes sociais através dos perfis dos moradores da cidade, e outros.
No processo disponível para consulta no site do Tribunal de Justiça do Estado, constam detalhes da investigação e do caso, segue abaixo alguns trechos:
"Consta na investigação que o crime ocorreu na Rua Nossa Senhora do Carmo, bairro Fazenda, no bar do DUDU. Os depoimentos acostados nos autos do inquérito policial, dão conta de que as vítimas juntamente com seus familiares e amigos estavam se divertindo no estabelecimento comercial, logo após terem saído do Estádio Municipal".
"Por volta das 23 hrs, acostou-se ao bar um carro Fiat Palio de cor prata, 4 portas, que era pilotado pelo Thiago Pantoja de Carvalho, vulgo Thiaguinho, no banco do carona estava o guarda municipal Bendito Nei Ferreira Queiroz, vulgo Bena, no banco traseiro estavam o Sr. Gilmar Gonzaga Cardoso, vulgo Filho e o Sr. Marcos Franco Soares, vulgo Marquinhos.
O dono do bar foi até o carro, conversou com o motorista e passageiros. Depois de algum tempo, o citado carro que é de propriedade/posse de Bena, passou, novamente, em frente ao bar e estacionou atrás do estádio. Em seguida, dois rapazes com camisas enroladas no rosto chegaram correndo ao bar e iniciaram uma sequência de disparos de arma de fogo que resultaram as mortes das vítimas mencionadas.
As testemunhas oculares dos crimes afirmam que os dois atiradores eram os guardas municipais Benedito Nei Ferreira Queiroz e Gilmar Gonzaga Cardoso, pois mesmo com a camisa no rosto, eles não tiveram o cuidado de cobrir direito a cabeça, ficando parte do rosto, nariz, boca, testa e olhos à mostra, o que facilitou o reconhecimento".
Na ocasião das mortes a imprensa estadual deu destaque ao caso. (Clique). Segundo a informações publicadas no Diário do Pará, o pai, José Junior Pontes de Lemos, era conhecido no bairro do Jurunas em Belém, onde morava, como “Paulo Baier”. Já o filho, também vítima, Leandro dos Prazeres Lemos, era conhecido como “Douradinho”. Os dois tinham envolvimentos com processos criminais e práticas delituosas. Leandro dos Prazeres Lemos respondia, na 7ª Vara Criminal de Belém, processos que envolviam crimes como tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Já Leandro dos Prazeres Lemos foi preso e enquadrado por quadrilha ou bando, tráfico de drogas e condutas afins, crimes do sistema nacional de armas, associação para a produção e tráfico e condutas afins - todos em 2014.
Os dois teriam vindo para passar o carnaval na Pérola do Tocantins e suas mortes também chocaram a todos os moradores.
Fonte:http://amazonidas.blogspot.com.br/…/prisoes-e-apreensoes-na…